Buscar Especialidades

Saiba melhor como funciona o tratamento com iodo radioativo.

18/12/2017

Iodo radioativo é o procedimento adequado para quem sofre com doenças na glândula tireoide. Entenda.

O hipertireoidismo é uma doença que acomete a glândula tireoide, que fica abaixo das cordas vocais, na região do pescoço. Essa patologia ocorre quando há excesso dos hormônios produzidos no local – triodotironina (T3) e tiroxina (T4). Isto provoca, como maior consequência, o aumento de peso, principalmente em mulheres adultas com até 40 anos, mas sendo também observado em homens. Felizmente, o tratamento com iodo radioativo pode apresentar melhoras para o paciente.

O Instituto de Neurologia do Amapá – Inneuro oferece este serviço de forma exclusiva no estado. Você que sofre com hipertireoidismo deve procurar orientação médica, que indicará o Inneuro para o seu tratamento. Posteriormente, você receberá as informações sobre como iniciar a terapia, que requer uma dieta especial antes de qualquer procedimento. Por isso, procure uma unidade do Inneuro para conversar com um especialista. Mas, para informar aos pacientes sobre o procedimento, trazemos como funciona o tratamento com dosagens terapêuticas deste composto.

O que é o iodo radioativo?

O iodo é absorvido através da tireoide de forma natural no nosso corpo, sendo necessária para o bom funcionamento da glândula. Não à toa, o sal de cozinha atualmente já vem iodado para que não surjam complicações no local. Contudo, tumores e câncer podem aparecer na tireoide, alterando suas funções. Denominado isótopo I-131 – ou iodo radioativo – é a substância que será utilizada no tratamento de quem tem disfunções na glândula, principalmente por células cancerígenas.

O iodo radioativo vai agir diretamente na glândula tireoide do corpo, não afetando outros órgãos ou regiões. O I-131 libera radiação que irá eliminar células que apresentam características carcinogênicas, através de radiações gama e beta, que contribuirão para destruir qualquer corpo estranho presente na glândula. Os resultados comprovam que são poucos os efeitos colaterais no paciente que está sob administração do iodo radioativo, sendo na maioria das vezes eliminado por vias urinárias em até 10 dias.

Cuidados no tratamento

O maior cuidado que os pacientes precisam ter em relação ao tratamento com o I-131 é a exposição de terceiros a radiação. Isto porque durante as dosagens terapêuticas do composto, o paciente emitirá radiação, sendo aconselhado que evite o máximo de pessoas possível, principalmente grávidas e crianças, que estão nos grupos de riscos. Durante o tratamento, sinais como náuseas, vômito, boca seca e inchaço na região podem aparecer.

Para as grávidas ou lactantes, o procedimento deve ser realizado em último caso. Todavia, sendo necessário o procedimento, aquelas que amamentam devem suspender o aleitamento da criança por um período recomendado pelo especialista. Mulheres que utilizaram do iodo radioativo também precisam de um período entre 6 meses a um ano antes de engravidar, evitando os riscos trazidos pelo tratamento.

Informação é primordial

Conhecendo mais sobre o procedimento oferecido pelo Inneuro e como funciona as dosagens terapêuticas do iodo radioativo, você pode entrar em contato com um especialista e proceder da melhor forma possível. Lembre-se: mesmo sendo recomendado para carcinoma da tireoide e para destruição de células cancerígenas presentes no local mesmo após a retirada das glândulas, e em casos que o tecido de órgãos próximos foi comprometido, é importante sempre fazer o diagnóstico. Em caso de dúvidas, procure o Inneuro, que oferece este serviço exclusivo no estado do Amapá.